Travessia do Pico da Bandeira ES/MG

Em 2013 começamos a planejar a subida para o Pico da Bandeira, o terceiro maior do Brasil com 2892mt, no início só estávamos pensando em subir e descer por MG, mas daí surgiu a ideia de fazer a travessia começando pelo ES. Depois de algumas semanas recolhendo informações sabíamos das dificuldades que iriamos enfrentar em relação ao clima, peso e distância percorrida, afinal estávamos com uma cargueira pesando em média 12kg cada. Saímos da capital da Bahia até Vitória/ES no voo das 13h e chegamos às 14:30h, fomos direto para a rodoviária com o apoio do nossa amigo capixaba Beto Gabriel, seguimos direto para Guacuí que fica umas 4h de ônibus, chegamos na pequena cidade por volta das 20h e ficamos no hotel Montevidéu, bastante aconchegante e um valor bastante acessível com um café da manhã maravilhoso. No dia seguinte estava em nosso roteiro pegar um táxi até a cidade de  Dores do Rio Preto que fica à 34km e em seguida partir para Pedra Menina que é a porteira para o Parque Nacional Alto do Caparaó, mas acabamos fechando com o taxista para nos levar até o nosso destino final que ficou em média uns 60km, de Guaçuí até a porteira do Parque. Chegamos por volta das 10h e recebemos todas as orientações na portaria, inclusive a grande possibilidade de raios por conta do tempo, pois estava muito nublado e com chuvas constantes, onde o guarda tentou nos convencer a não subir, mesmo tendo feito reserva a mais de 40 dias, mas depois de uma conversa ele percebeu que eramos experientes e acabou liberando a entrada. uffa!
Rodoviária de Vitória/ES
com o nosso amigo Beto

Hotel Montividéu



Entrada do Parque Nacional do Caparaó, lado do Espirito Santo.
Começamos a subir no intuito de chegar a Macieira que fica a 9km da porteira para montarmos o campamento mas após 40min de subida o tempo começou a fechar e choveu sem parar, acabamos parando no Centro de Visitantes a 3km, como o tempo não estava a nosso favor decidimos acampar ali mesmo. Montamos as barracas próximo as churrasqueiras para não molharem, no meu caso decidi dormir no banheiro feminino, estava tão limpinho e aparentava ser tão quentinho (me enganei, passei um perrengue por conta do piso mesmo com isolante e saco de dormir). Claro, não havia ninguém além de nós no local. Nosso primeiro dia foi resumido no Centro de Visitantes e a todo tempo estávamos na expectativa do sol aparecer.

Início da Trilha, da pra ter noção do tempo
que pegamos no início.
Próximo ao Centro de Visitantes,
Olha como o tempo mudou!

Acordando no banheiro feminino, estranho mas foi necessário (risos).
Nosso Almoço.
Centro de Visitantes, no fundo da pra ver as
barracas que foram montadas




Casa Queimada
No dia seguinte com uma pequena melhora do tempo mais uma vez nossas metas foram reescritas, a ideia era chegar até o Terreirão sem passar pelo cume do Pico da bandeira, ainda não sabemos se é possível fazer a travessia sem passar pelo cume, mas tínhamos isso em mente. Continuamos a subi sem ao menos pensar em descansar, passamos pela Macieira e mais uns 2,5km chegamos a Casa Queimada, descasamos uns 15min e continuamos a caminhada sem ver o sol e sem saber que ainda tinha 7km de caminhadas ingrimes, pouca visibilidade, ventos fortes, chuva e muito frio. 



Companheiro Ismarlei.
O grupo formado por Ricc Silva, Carlos Henrique
Guia Lé, Rodrigo Alves e Ismarlei

Esse foi o momento mais crítico, onde tivemos pouca visibilidade, pegamos ventos fortes e foi uma das partes mais ingrimes da trilha. Ainda passamos por alguns momentos delicados com um dos companheiros do grupo, mas conseguimos vencer todas essas dificuldades onde um completou o outro.

Depois horas subindo e descendo morro, passamos pelo Pico Pedra Duas Irmãs sem ao menos perceber, chequei a pensar que estávamos perdidos porque havia horas que não passávamos por nenhuma placa informando a nossa localidade até que então encontramos uma indicando que restava 200mt para alcançarmos o cume, foi aí que aliviou um pouco a tensão e descobrimos que não estávamos indo para o Terreirão e sim para o cume. Na placa também informava a trilha para o Terreirão mas com o tempo instável sem nenhuma possibilidade de melhora decidimos subir, deixamos nossas cargueiras enroladas com uma lona (estava chovendo) e finalmente conquistamos o cume do Pico da Bandeira.

Cume do lado de MG.
Cume do lado do ES.
Essa não é a imagem que muitos gostariam de ver ao chegar no cume mas para passar o que passamos, superar tudo que superamos vai ter que abrir mão do que "muitos gostam".
Por fim voltamos a trilha mas dessa vez só foi descida, chegamos ao Terreirão depois de 2h de uma caminhada cansativa montamos acampamento. Chegando na base percebemos que a estrutura do lado do ES é sem dúvidas melhor do que a de MG, embora seja mais visitada. No dia seguinte conseguimos ver alguns pontos de sol e decidimos subir mais uma vez, mas o tempo não cooperou, chegando aos 200mt próximos ao cume caiu um pé d'água e acabamos retornando e decidimos que nossa aventura iria acabar ali. De volta ao Terreirão ligamos para portaria e pedimos apoio de um carro para nos buscar na Tronqueira, levantamos acampamento e depois de umas 3horas chegamos no ponto marcado e conhecemos um senhor bastante receptivo com histórias muito engraçadas. Chegando bem próximo a porteira começamos a ver o que nos fez falta durante esses três dias, o sol, clariando a linda cidade do Caparaó.
Amanhecendo no Terreirão


Aguardando o tempo melhorar...



Na tronqueira, depois de uma descida bastante cansativa.
Por fim, Porteira do Parque Nacional do Caparaó de Minas Gerais.
.:Vídeos:.




Dicas:
•Embora o Pico da Bandeira seja um dos mais visitados no Brasil não podemos subestima-lo, ir com equipamentos adequados é essencial para uma boa aventura.
•Nós fomos no mês de Março que é um período onde quase ninguém vai visitar o parque, por isso só havia nosso grupo, e a melhor época para visita-lo é em Junho/Julho. 
•Para visitar o parque tem que ser feito a reserva com antecedência pelo site: http://www.icmbio.gov.br/parnacaparao
•É fácil contratar um Jipe que leve até a primeira base de acampamento na Tronqueira que fica do lado de MG com custo em média de $100,00.

Telefones:
•Portaria de Alto Caparaó:(32) 3747 2086
Hotel Montevidéu, Guaçuí/ES: (28) 3553-2002